27 de mai de 2010

"Nem vem que não tem. Nem vem de garfo que hoje é dia de sopa..."

10 comentários

Ontem, assisti ao documentário “Simonal – Ninguém sabe o duro que dei”, que narra a vida de um dos caras, que na minha opinião é o verdadeiro Rei da Música Popular Brasileira. Que me perdoe as coroas e tiazinhas do meu Brasil, mas o “Rei Roberto Carlos” perto de Wilson Simonal é um Zé Ninguém.
Não estou aqui desmerecendo a contribuição artística e cultural de Roberto Carlos, longe disso. Só estou colocando em questão a falta de memória do povo brasileiro, além da sua estúpida mania de ser manipulada pela mídia. Calma, vou me explicar melhor: No final da década de 1950, surgia no cenário musical brasileiro um cara chamado Wilson Simonal, um homem negro, pobre, ex-cabo do exército, precursor do movimento da “pilantragem” na música, um cara cheio de suingue e dono de uma voz extraordinária, digno de dividir, em um dueto, a música "The Shadow of Your Smile" com ninguém menos que Sarah Vaughan, na extinta TV Tupi [o documentário traz esse momento sublime na íntegra, vale a pena conferir]. Além do seu poder vocal, malemolência rítmica, musicalidade aflorada e de ser um puta multinstrumentista, Simonal também era um ótimo “entertainer”, ou seja, fazia com que o público ficasse em suas mãos, como que hipnotizados por sua voz e carisma. Até o final da década de 1960, ele era “O CARA”, o “REI DA COCADA PRETA” e dos Festivais da época, maestro de um público como o do Festival no Maracanã, com cerca de 30 mil pessoas. Só que, em meados da década de 1970, ele se envolve num quiprocó com a Ditadura, é acusado por seu contador de ser mandante de tortura e informante do DOPS. Assim todos os artistas (ex-colegas de profissão), a mídia e a imprensa o boicotam/massacram, e logo o público que se dizia tão apaixonado por ele, vira as costas para seu ídolo, que cai num ostracismo de dar pena. Isso acarreta uma série de doenças como a depressão e o alcoolismo. De ídolo à pobre coitado, vítima da mídia e de um povo sem memória... E essa falta de memória do seu povo, o castiga até o fim de sua vida. No dia 25 de junho de 2000, morre Simonal, vítima de uma cirrose hepática, conseqüência de anos de bebedeiras para afogar mágoas, ressentimentos e sua memória de que para seu povo ele não mais existia.
Aonde quero chegar com isso? Bem, ele foi acusado de ser ufanista por cantar músicas como a famosa “País Tropical - Pa Tro Pi” (o que era um pecado mortal naquele período), acusado de pertencer à direita - tendo em vista que, quem simplesmente não se posicionasse contra a Ditadura, estava, conseqüentemente do lado dos militares. Tá! E o Roberto Carlos e sua “tchurma de playboys brancos” da Jovem Guarda??? Todos eram totalmente alheios aos movimentos políticos da época e nem por isso foram massacrados pela mídia. Pelo contrário, Roberto Carlos Allheio da Silva...agora é Rei!
Eu reclamo esse trono! Reclamo em nome da música de qualidade, em nome do que é justo... Reclamo em nome de Wilson Simonal. Salve Wilson Simonal... Salve o Rei!

Fica a recomendação para que assistam ao documentário, que é muito bem produzido, estruturado e escudado por “talking heads”, pessoas que sabem o que estão falando: Chico Anysio, Nelson Motta, Tony Tornado, Pelé, entre outros. Além de nos deleitarmos com os vídeos e a voz que nos preenche a alma de Simonal, O Cara!

25 de mai de 2010

Certo ou Errado?

7 comentários

Esse final de semana resolvi sair com uns amigos para uma “Balada GLS”, fomos a uma boate conhecida aqui da cidade. Lá me senti tão à vontade, fui tão bem recebida e não sofri nenhum tipo de preconceito por ser heterossexual. Isso me fez pensar: será que eles seriam tão bem recebidos como eu fui, se resolvessem ir numa “boate hétero” e não agissem como “enrustidos”? Acho que não!
Bem, saímos da boate e fomos comer um cachorro-quente da Madol (que nem é mais Madol...heheh). Lá um amigo meu quase foi agredido por um rapaz, que não gostou do jeito do meu amigo falar. E esse fato me lembrou muitos comentários que ouço por aí sobre a homossexualidade. Tais como: “Isso é uma doença”, “Isso não é coisa de Deus”, “Está na bíblia: a homossexualidade é pecado”... E me lembrei então, de um texto que li num livrinho que tenho aqui em casa, chamado “Nós e o mundo espiritual”, este livro traz um texto muito interessante sobre essa questão. O que é certo e o que é errado diante de Deus?? Será que devemos magoar e ferir pessoas só porque está escrito na bíblia??
Leiam e tirem suas conclusões:
Laura Schlessiger é uma personalidade do rádio americano que distribui conselhos para pessoas que ligam para seu programa. Certa vez ela disse que a homossexualidade é uma abominação de acordo com Levítico 18:22 e não pode ser perdoada em nenhuma circunstância. O texto abaixo é uma carta aberta para Drª Laura, escrita por um cidadão americano:
“Cara Drª Laura,
Obrigado por ter feito tanto para educar as pessoas na Lei de Deus. Eu tenho aprendido muito com seu programa, e tento compartilhar o conhecimento com tantas pessoas quanto posso. Quando alguém tenta defender o “homossexualismo”, por exemplo, eu simplesmente o lembro que Levítico 18:22 afirma claramente que isso é uma abominação. Mas eu preciso de sua ajuda no que diz respeito a algumas leis específicas e como segui-las nos dias atuais:
1º - Quando eu queimo um touro no altar como sacrifício, eu sei que isso cria um odor agradável para o Senhor (Levítico 1:9). O problema são os meus vizinhos, que sempre reclamam que o odor não é agradável para eles. Devo matá-los por heresia?
2º - Eu gostaria de vender a minha filha como escrava, como é permitido em Êxodo 21:7. Hoje, qual você acha que seria o preço justo por ela?
3º - Levítico 25:44 afirma que posso possuir escravos, tantos homens quanto mulheres, se eles forem comprados de nações vizinhas. Um amigo meu diz que isso se aplica a mexicanos, mas não a canadenses. Você pode esclarecer isso? Por que não posso possuir escravos canadenses?
4º - Eu tenho um vizinho que insiste em trabalhar aos sábados. Êxodos 35:2 afirma claramente que ele deve ser morto. Sou moralmente obrigado a matá-lo?
5º - Levítico 21:20 afirma que eu não posso me aproximar do altar de Deus se eu tiver algum defeito na visão. Eu admito que uso óculos para ler. A minha visão tem mesmo que ser 100% ou pode-se dar um jeitinho?
6º - A maioria dos meus amigos homens apara a barba, inclusive os cabelos das têmporas, mesmo que isso seja expressamente proibido em Levítico 19:27. Como eles devem ser mortos?
7º - Meu tio tem uma fazenda. Ele viola Levítico 19:19, plantando dois tipos diferentes de vegetais no mesmo campo. Sua esposa também viola Levítico 19:19, porque usa roupas feitas de dois tipos de tecido (algodão e poliéster). Ele também tende a xingar e blasfemar muito. É realmente necessário que eu chame toda a cidade para apedrejá-los, conforme nos é ordenado em Levítico 24:10-16? Não poderíamos simplesmente queimá-los em uma cerimônia privada, como deve ser feito com as pessoas que mantém relações sexuais com seus sogros? (Levítico 20:14)
PS.: Eu sei que você estudou essas coisas a fundo, então estou confiante de que possa me ajudar. Obrigado novamente por nos lembrar que a Bíblia é a palavra de Deus e é eterna e imutável.
Atenciosamente,
Seu discípulo.”

23 de mai de 2010

A SAGA DE UM PÉ QUEBRADO

10 comentários
Há dois meses tropecei na escada e machuquei meu pé, os dedos se torceram de um jeito que pareciam de borracha, doeu pra caramba e inchou na hora. Era uma segunda-feira, eu tinha que viajar pra visitar minha irmã e não dei muita importância, pensei que fosse apenas uma luxação e que logo aquele pão – que antes era meu pé – voltaria ao normal... Ledo engano. Dois dias depois, voltei de Curitiba, e nada do pé melhorar. Fui então ao P.A. Sul, que fica no Itaum. Lá fui atendida por um médico, ele olhou (de longe) meu pé e pediu um raio-x do pãozinho, digo... pezinho. Lá fui eu, fila... fila... fila...
– Heloísa!
– Sou eu!
– Pronto... até que foi rápido, só perdi a manhã de quinta-feira nisso!
Fila... espera... espera... espera... Putz, que fome!
– O “doutor” saiu pra lanchar!
– Quando ele volta?
– Não sei!
– Poxa moça, olha esse bebê aqui, com o queixo aberto, chorando tão sentido que chega a apertar o coração. Ele tá com febre! Não tem como você ir lá dentro ver se o médico vai demorar?
– Não tem como!
– Não?!
– Não tem como. Não vou!
Que descaso... fila... espera... espera...
– Heloísa!
– Sou eu... e aí? Quebrou?
– Nããããããooo... que nada! Isso aí é só diclofenaco e gelo!
– Ufa! Menos mal!
– Fisioterapia?
– Nesse caso não vai adiantar, só vai piorar ficar mexendo aí no seu pé!
Um mês tomando esse tal diclofenaco que os médicos tanto receitam, acompanhado sempre de uma injeção de voltarem doída pra daná, ou uma mais singela de dipirona. Nunca vi curar tanta doença esse tal diclofenaco... deve ser porreta! Mas pra mim não funcionou, pelo contrário, porque além da dor no pé, agora eu tinha dores no estômago.
Enfim, desisti do diclofenaco, mas continuei com as compressas de gelo. De vez em quando desinchava, mas como eu tinha que trabalhar, andar, ficar em pé... logo inchava novamente.
Na última quinta-feira desse mês de abril, tive curso de capacitação no meu trabalho, e resolvi emendar uma palestra muito legal que estava rolando na universidade. A palestra estava muito boa realmente, mas meu pé é que não estava gostando muito. O dia inteiro com calçado fechado, meu pé começou a inchar mais, senti meu coração bater na ponta da cabeça do dedão do meu pé! Uma dor horrorosa... Próxima parada: P.A. Sul!
Chegando lá outro médico me atendeu, não demorou muito, devia ser umas onze e meia da noite. Esse médico me disse que era melhor eu tirar um ultra-som pra ver o que era realmente, se estava há dois meses assim, tinha que ver melhor. Encaminhou meu caso pro Hospital São José, para um ortopedista.
Meia noite, por aí. Cheguei ao Hospital São José, fui encaminhada à sala do “doutor”, ele tinha dado uma saidinha, era pra eu esperar numas cadeiras no corredor. Lá fiquei trocando uma idéia com duas mulheres INTERNADAS NO CORREDOR. Uma estava há três dias e a outra há uma semana ali... INTERNADAS NO CORREDOR do hospital. Bem, apesar da situação lastimável, rimos um bocado.
Uns 10 minutos depois chegou o “doutor”, com o uniforme de uma clínica de ortopedia particular e que tinha até o nomezinho dele bordado no jaleco. Ele abaixou, pegou meu pé...cutucou com o indicador (ou fura bolo) e disse:
– Acho que é tendinite! Vou te receitar esse anti-inflamatório e....
– Parou! Se for diclofenaco não adianta que não vou tomar. Nem perde tempo escrevendo! E o ultra-som? Não vai fazer?
– Não, isso é exame ambulatorial, não tem como fazer... Te dou um atestado de 5 dias e esse outro anti-inflamatório aqui. Que é pra isso mesmo!
Pra isso o que? Ele ACHA que é tendinite, me RECEITA um anti-inflamatório e me dá alta... quase  uma hora da manhã e eu volto pra casa, com o pé inchado e dolorido do mesmo jeito que cheguei! Grande noite!
No dia seguinte, juntei uma grana e fui procurar um ortopedista particular, a mesma clínica inclusive, que estampava o jaleco do ortopedista que me atendeu no Hospital São José na noite anterior.
Cheguei lá, o médico olhou meu pé e pediu um raio-x... lá sim é rápido – também, pelo preço que a gente paga, tem que ser rápido mesmo! Foi rápido também o diagnóstico:
- Tá quebrado... tava quebrado! Agora já calcificou, não tem o que fazer. O que pode ajudar é um anti-inflamatório...
– Ai, nem vem com diclofenaco!
Resumo da ópera: Fiquei dois meses com esse pé quebrado, andando pra cima e pra baixo, trabalhando...maltratando o coitado, sem saber que estava quebrado! Agora estou usando uma tal de sandália de barouk, feia e desconfortável pra caramba. Com dor nos joelhos de tanto mancar, e indignada com essa falta de respeito com a vida humana e com o próximo.
E se eu não tivesse dinheiro pra pagar outro médico mais competente? E se meu pé não calcificasse corretamente? E se fosse com os filhos desses médicos? Ou os filhos das autoridades locais?
O que eu quero é que isso não aconteça mais. Não quero processar ninguém, na verdade não quero me incomodar com advogados e processos intermináveis. Só quero que esses profissionais se conscientizem de que eles estão lidando com vidas, com pessoas que tem sentimentos, que sofrem, que são pais, mães, filhos de alguém... como eles!
Médicos são profissionais que devem amenizar dores, salvar vidas e não aumentar o sofrimento de pessoas que só podem recorrer à saúde pública desse país... que infelizmente sempre foi e vai continuar doente.

APRESENTAÇÃO

4 comentários
Escrever é sempre muito bom, pelo menos para mim. Coloco no papel todas as coisas que sinto, que vejo, que ouço, que penso... E, através deste blog, pretendo dividir com vocês um pouco desse meu pensamento, que pode não ser o correto, - e nem ser verdade também (hehehe) - mas que é meu, só meu! Além dos meus textos, crônicas e desabafos, pretendo dividir com vocês meus vídeos, livros, bandas e músicas preferidas.
Espero que gostem!
Um abraço a todos/as,
Helô.